quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

MEU SOBRINHO PARANORMAL


MEU SOBRINHO PARANORMAL (capítulo III)

Numa tarde, ele voltou de lá, correndo... assustado!
Contou-nos que estava distraído, quando, de repente, apareceu diante dele um cachorro de tamanho normal, que foi crescendo... crescendo... até virar um monstro, quase do tamanho do pé de eucalipto. Ele disse que, tremendo de medo, abraçou-se ao tronco, e foi virando para o outro lado, para depois, correr.

Já cansado de tanto assédio, somado agora, com a visão desse monstro, ele decidiu que iria embora junto com a sua mãe, que veio para ficar oito dias.
Dessa forma, dois dias depois, eles estariam de volta.
No lote dos eucaliptos, ele não voltou.

Ficamos curiosas para saber como tudo havia começado.
Ele nos contou, que numa tarde, ao debruçar-se na janela da sua casa, ele olhou para o céu. Lá bem no alto, ele viu uma cruz bem grande, com Jesus crucificado. Mas não parecia escultura, era como se o corpo dele, fosse de carne e osso, e como se Cristo acabasse de morrer, naquele momento.

Aí, dos pés da cruz, descia uma fonte de brilhantes brancos, que iam em direção à janela, caindo dentro da sala. Com as duas mãos, ele pegava os brilhantes no ar... mas eram tantos, que ele não sabia o que fazer.

Nesse momento, meu irmão chegou na sala. Ao ve-lo com a expressão maravilhada, e fazendo movimentos com as mãos, ele chamou a minha cunhada, dizendo que precisavam leva-lo ao médico.

Continua...

1 COMENTÁRIOS:

Nova Civilização disse...

Olá Ampola,

obrigada pelas palavras sobre Santa Teresa. Realmente um testemunho para todos nós de amor ao próximo,

beijinhos,

Gisele

POSTAR UM COMENTÁRIO

2 comentários:

  1. Testando se é possível comentar aqui.

    ResponderExcluir
  2. Amapola, obrigado por sua visita!
    Parece que há algum problema com as datas no teu blog.
    Abraços!

    ResponderExcluir